Desde que começamos a viver o isolamento social existe uma discussão que está por todos os lados: Produtividade x inércia durante a pandemia. No meio disso tudo, vários tweets emoldurados circulando nas redes sociais com frases feitas dizendo que seja qual for seu comportamento agora, “tá tudo bem”.

Mas tá tudo bem mesmo?

Vamos falar um pouco sobre autoestima: Amor próprio, se amar e se aceitar, não significa ignorar hábitos e comportamentos que nos fazem mal e que atrasam o seu crescimento e autoconhecimento. Por isso é importante antes de dizer para você mesma que “tá tudo bem” qualquer tipo de comportamento que você esteja tendo,  se observar.

Por um lado, estamos sendo estimuladas a fazer cursos, cozinhar, fazer exercícios físicos, arrumar a casa, aprender um novo idioma… e por outro, passar o dia de pijama, comendo sorvete e vendo netflix. Seja qual for sua escolha no momento é importante perceber o motivo real delas.

Esse “bem” pode facilmente se tornar uma mentira que você está contando para você mesma, para não lidar de verdade com seus sentimentos durante essa fase. Será que essa vontade louca de se manter sempre produtiva não é uma fuga para não encarar como você realmente se sente nesse momento? Ou apenas um desespero porque você não para de se comparar com a sua amiga que está fazendo yoga, aulas online e meditação e não ser dessa forma faz com que você se sinta perdedora?

Será que não fica horas na Netflix porque é o único jeito que você consegue fingir que não está ansiosa? Quanto tempo você vai segurar até a bomba explodir e você ter uma crise de ansiedade, choro ou até estafa nesse momento?

O “tá tudo bem” é saudável para nossa mente e para o nosso corpo quando ele vem de um lugar de verdade e não quando é algo para você tapar o sol com a peneira. É muito importante para a nossa saúde mental estar em contato de verdade com os nossos sentimentos, razões e decisões. Caso ao contrário, podemos agravar comportamentos destrutivos, prejudicando a longo prazo, a nossa saúde física e emocional.

Aceitar somente o “tá tudo bem” sem buscar a origem dos seus comportamentos e sem ficar realmente consciente e em paz com as suas escolhas, trazem uma falsa sensação de satisfação momentânea, mas em médio e longo prazo, geram uma sensação de descontrole, crises de pânico e um processo doloroso de culpa.

Estamos todas atravessando uma fase desafiadora e inédita para a maioria de nós. E é normal estar se sentindo confusa, perdida e angustiada. Tá tudo bem sim, ser produtiva ou não. Perceba apenas se essas escolhas são realmente suas e se estão realmente te fazendo bem ou agravando algum quadro de autopunição, autossabotagem ou falta de autoaceitação.

Permitir ouvir seus pensamentos, emoções e sensações fará com que de fato, suas escolhas te deixem o mais tranquila e resiliente possível para atravessar esse momento.

Quer encontrar de verdade o seu “tá tudo bem”? Segue algumas dicas:

Cuidado com as opiniões alheias e comparações:

Uma das primeiras atitudes que você deve tomar para entender o que realmente vai te fazer bem agora é parar de ouvir a opinião dos outros ou de se comparar. Muitas das nossas decisões são tomadas por  “pressão social” ou por repetição, para se sentir parte de um grupo, de um movimento. O que você de fato quer agora? Como passar por esse momento sem se machucar ou despertar gatilhos ruins? É muito diferente do que os outros pensam e falam? Não tem problema! O importante aqui é se ouvir e não contar mentirinhas para você mesma.

Pratique o autoconhecimento

Quando nos conhecemos bem, sabemos das nossas forças, limitações e o que realmente nos importa. Quando a gente se conhece conseguimos lidar com momentos de frustração e tristeza, pois entendemos que tudo é temporário e parte do nosso crescimento e aprendizado.

O autoconhecimento nos ajuda a encontrar pequenas felicidades mesmo no meio do caos e é fator decisivo na hora de definir o que lhe faz mal e o que colabora para você passar por momentos desafiadores.

Como trabalhar o autoconhecimento? Escreva para você mesma, uma carta sobre como você está se sentindo no momento, onde você busca conforto e por que. Desabafe, se entregue ao momento, permita sentir suas emoções.

Se faça perguntas e se responda de forma honesta

  • O que atrai meu interesse nesse momento? O que eu gostaria de fazer?
  • Quais são os problemas que eu considero mais preocupantes durante esse momento no mundo
  • Posso ajudar de alguma forma a sociedade/humanidade agora? Eu gostaria de fazer isso? Como?
  • Como juntar as coisas que me fazem bem e me dão conforto e alegria nesse momento?
  • Sinto vontade de me dedicar a algo agora? Se sim, o quê? Por quê?
  • Tenho descontado minha tristeza, angústia ou medo em algo? Isso está me fazendo bem ou me deixando mais triste e culpada? Como posso mudar esse comportamento?

Essas são somente algumas sugestões de perguntas! Se entregue ao processo e você perceberá quantas respostas você mesmo carrega em você para atravessar esse momento.

Vamos passar por isso! Lembrem-se: Tudo é temporário e isso também, vai passar. Se puder, FIQUE EM CASA!

Veja também

Copyright © 2020 Chá de Autoestima. Todos os direitos reservados.