Publicado em Deixe um comentário

O que são terapias holísticas e como utilizar para seu autoconhecimento

O que são terapias holísticas

Que as medicinas e terapias holísticas estão super em alta, você provavelmente já sabe, acho que desde os anos 70 não acontece um “boom” tão grande de práticas espirituais e alternativas; ao mesmo tempo que cresce também movimentos anti-vacinas e terraplanistas e um conflito forte com a ciência acaba colocando tudo isso no mesmo barco e nada poderia ser mais equivocado.

Então vamos começar pelo começo, o que é “holismo”? O termo holístico deriva do grego holos que significa “todo”, “inteiro” ou “completo”, ou seja, holístico é aquele que busca compreender os fenômenos na sua globalidade e totalidade. A visão holística é não reducionista, ao olhar para algo, enxerga-se e a totalidade, sintetizando o todo em unidades. Aristóteles dizia que: “O todo é maior do que a simples soma das suas partes”.

Então as terapias e medicinas holísticas nada mais são do que práticas que enxergam o ser humano como o todo, considerando as questões físicas, mentais, espirituais. E também levando em conta o ambiente que o cerca, que pode ser resumido a uma visão global daquele ser e/ou circunstância; diferente da medicina moderna alopática, cujo princípio básico é combater as doenças com o uso de medicamentos que produzam efeitos contrários aos sintomas causados por elas.

Por isso, é tão comum que drogas tenham nome de “anti”, como por exemplo os antibióticos. A alopatia parte do princípio básico oposto ao da homeopatia de que: “​semelhantes são curados por semelhantes”.

Com isso eu estou dizendo que a alopatia é ruim e que devemos tratá-la como inimiga e sair por aí não vacinando nossos filhos e recusando atendimento médico? É claro que não! O que eu busco praticar na minha vida é a promoção da saúde.

Estamos tão acostumados a vibrar na energia da doença, a falar de doença, pensar sobre doença de tal forma que a maioria de nós já tem na ponta da língua tudo aquilo que faz mal, que dá indigestão, dor de barriga, alergia etc e tal e que remédio tomar quando isso acontecer.

Mas se eu te perguntar sobre saúde, sobre os hábitos que te causam bem-estar e boa saúde, será que você sabe responder?! Ao praticar um estilo de vida holístico eu tenho me tornado uma pesquisadora da minha própria saúde, vou experimentando práticas e hábitos que me fazem ter mais energia, mais felicidade e consequentemente mais gentileza e amor comigo mesmo e com o meu próximo.

Aos poucos eu vou me conhecendo melhor, aprendendo a conversar com meu corpo e o que ele precisa para funcionar bem. Ao invés de prestar atenção somente ao que está errado passo a atentar também ao que está indo muito bem, que alimento que meu corpo agradece quando recebe, que atividade física faz meu corpo vibrar, que palavras fazem minha alma iluminar, que pessoas e conversas estimulam minha mente, que leitura me transforma.

Uma vez ouvi de uma médica que ela não teve em toda a sua graduação uma só matéria sobre saúde, todo o curso de medicina foi 100% focado em estudar as doenças. É claro que é importante as pesquisas médicas sobre as diferentes patologias e é fundamental irmos ao médico quando surge uma situação com a qual não sabemos lidar, ele é o profissional capacitado para isso.

O que eu quero dizer com isso é que é possível aproveitar o melhor dos dois mundo, celebrar as pesquisas científicas, os avanços na área de saúde sem precisar delegar meu bem-estar a outra pessoa.

Creio que o primeiro passo é mudar nosso discurso, afinal as palavras tem poder! Então se um dia acordo espirrando, eu interpreto isso como meu corpo em pleno funcionamento eliminando todo aquele muco que precisa sair, ao invés de ir correndo buscar um antibiótico ou “bater uma chapa do pulmão” (como dizia minha avó) no meu primeiro espirro.

Observo o que está causando tanta produção de muco, pode ser excesso de lactose, farinha, muita poeira no ambiente, talvez o corpo não reaja bem a alimentos muito gelados, observo e busco introduzir novos hábitos. No meu caso, percebi que alimentos crus me ajudam a produzir menos muco e por isso ter muito mais qualidade de vida, então dentro do possível busco introduzir mais desses alimentos na minha vida e menos farinha para promover a saúde do meu ser.

Em outro momento entendi que precisava da orientação de um médico hematologista para acompanhar minha vitamina B12 (que é fundamental para a saúde e muito negligenciado pelas pessoas), faço a reposição com seu acompanhamento sempre relatando aquilo que não está funcionando muito bem e o que está, ouvindo e também sendo ouvida a todo momento, afinal é o meu corpo e cabe a mim cuidar muito bem dele.

Existem inúmeras práticas holísticas maravilhosas que me auxiliam no equilíbrio desses três pilares fundamentais de corpo, mente e espírito. Normalmente uma prática auxilia a outra. Hoje além do acompanhamento de um hematologista, frequento um iridologista, que ​é o profissional que estuda a observação de traços da personalidade através da análise da íris.

A partir disso direciona para tratamentos como cromoterapia, florais e argiloterapia e tenho obtido ótimos resultados, lembrando que seres humanos não são uma constante, vivemos nossos altos e baixos e por isso mesmo podemos aproveitar essas ferramentas para alcançar mais equilíbrio.

A medicina não é nossa inimiga, ela só não pode e não deve ser uma muleta para evitar um olhar mais íntimo e profundo em nós mesmas.

Texto por Martha Maximiano:

Designer, cozinheira vegana, louca por moda e maquiagem. Sou apaixonada por animais e criadora do Vegmax, um empreendimento 100% vegetariano que busca abrir os olhos das pessoas para o relacionamento com a alimentação. A marca surgiu a partir do meu próprio processo, de quem sempre enxergou comida como inimiga e, hoje, vê nela uma aliada para o autocuidado.

 

Publicado em Deixe um comentário

Os benefícios de uma alimentação crua e viva

alimentação crua e viva

Opa, esse papo parece estranho pra você? Calma, abre a cabeça e vamos conversar: primeiro, vamos entender o que é uma alimentação crua e viva. É considerado cru todo alimento que não é aquecido a nenhuma temperatura superior a 42º – 48ºC, mais ou menos a temperatura que a mão aguenta sem desconforto. Dentro desse universo da alimentação crua, há diferentes correntes de pensamento e prática.

Os crudívoros no geral defendem a ideia de que processos de cozimento afetam negativamente a capacidade nutritiva do alimento. Os frugívoros se alimentam majoritariamente de frutas e folhas e apenas uma pequena quantidade de oleaginosas (alguns nem isso).

Há também a alimentação viva que consiste em alimentos crus que tem como base sementes germinadas ou brotos, os praticantes dessa alimentação consideram vitalidade dos vegetais como a fonte essencial de alimento.

É claro que essas tendem a ser visões mais holísticas, que não costumam ser estudadas nas universidades de nutrição ou divulgadas nas revistas de dieta, mas o fato é que muitas pessoas experimentam significantes mudanças no seu campo biológico através da prática dessa alimentação. Há relatos de pessoas que reverteram quadros de doença sérios com a prática da alimentação crua, que transformaram a relação com a comida por completo.

A minha experiência com a alimentação viva é a melhor possível, em uma temporada me alimentando 100% de alimentação crua e viva, experimentei uma melhora significativa no meu problema de tireóide, muita disposição, melhor performance física e mental, melhoria de condicionamento físico e uma melhora muito impressionante nas alergias respiratórias que me perturbavam toda manhã e noite e muitas vezes durante um dia inteiro. Por isso sigo tendo o alimento cru como maioria no meu cotidiano.

O mais interessante da prática dessa alimentação, é descobrir um novo mundo de possibilidades, deixar um pouquinho de lado aquele apego afetivo que certos alimentos proporcionam, aprender a manipular a comida com a mão, descobrir que podemos mudar a textura de um alimento apenas com o calor das mãos, técnicas de corte e temperos.

Estar em contato com a textura e cheiro dos alimentos transforma muito a nossa relação com o ato de comer. Fermentação e desidratação são outras técnicas que proporcionam uma experiência alimentar

muito especial, sem precisar de fogo, assim como amornar os alimentos no fogão usando as mãos para perceber a temperatura.

Além dos benefícios na promoção da saúde, o contato com os alimentos crus nos aproxima da nossa ancestralidade, nos faz ter contato com a comida de verdade, integral e nos faz perceber que as coisas não surgem magicamente nas gôndolas do supermercado, tudo precisa de terra, água e sol para crescer e nós nos alimentamos também, da energia dessa terra, dessa água e desse sol.

Eu te convido a introduzir mais alimentos crus na sua vida e a dedicar um tempo para observar as cores, sentir o cheiro e apreciar a textura de cada um deles.

 

 

— ♥ —

Texto por Martha Maximiano:

Designer, cozinheira vegana, louca por moda e maquiagem. Sou apaixonada por animais e criadora do Vegmax, um empreendimento 100% vegetariano que busca abrir os olhos das pessoas para o relacionamento com a alimentação. A marca surgiu a partir do meu próprio processo, de quem sempre enxergou comida como inimiga e, hoje, vê nela uma aliada para o autocuidado.

 

Publicado em Deixe um comentário

Vitaminas e nutracêuticos: Tudo que você precisa saber sobre beleza e saúde em cápsulas

Complementares à dieta e aos tratamentos cosméticos, vitaminas e nutracêuticos são a bola da vez! Quem nunca ouviu falar dos benefícios do Ômega 3? Multivitamínicos? Ou os “milagres” da biotina e dos probióticos? Mas e aí, funcionam? Quais escolher? O que é importante saber? Vamos desvendar nesse post, tudo que você precisa saber sobre beleza e saúde em cápsulas.

beleza e saúde em cápsulas

Ilustração: Henn Kim 

Nutracêuticos são substâncias que auxiliam em prevenção ou tratamento de doenças. Estão inclusos os suplementos de vitaminas, minerais, fibras, proteínas, aminoácidos, carboidratos e gorduras.

Podemos fazer a seguinte analogia: estes elementos que citei, são tijolos para construção de um lindo castelo (nosso corpo). Conseguimos obtê-los através da alimentação, porém, em caso de insuficiência ou determinadas condições clínicas, necessitamos suplementá-las.

Há mais um grupo que pode ser considerado um nutracêutico: os fitoterápicos. Estes por sua vez, são exclusivamente de fontes vegetais, devido aos seus respectivos princípios ativos que são resultantes de seu metabolismo secundário, ou seja, estes alimentos de origem vegetal, produzem determinadas substâncias para a própria sobrevivência, que para nós exerce determinado efeito, como por exemplo, a curcumina, princípio ativo presente na Curcuma longa (açafrão ou cúrcuma), que possui efeito anti-inflamatório, antioxidante e depurativo em nosso organismo.

É imprescindível que o uso de suplementos seja realizado com orientação nutricional ou médica, pois existem inúmeras contraindicações e em determinadas doses e frequência podem sobrecarregar rins e fígado. Através de exames bioquímicos, o profissional irá determinar a conduta de acordo com a necessidade do paciente. É importante ressaltar que os suplementos não devem substituir determinado(s) alimento(s), e sim complementar.

Diferença entre nutracêutico e alimento funcional: O alimento funcional, assim como diz o nome, é o alimento em sua forma comum, acarretando em determinado efeito fisiológico benéfico, seja de prevenção ou tratamento. Enquanto os nutracêuticos incluem partes isoladas de alimentos, muitas vezes invisíveis a olho nu.

Por exemplo: O alho é um alimento funcional, devido ao fato de um composto chamado alicina em sua composição. A alicina quando suplementada de forma isolada do alho (Allium sativum L.), é considerada um nutracêutico. Em ambos os casos, o efeito deste composto será de fortalecimento do sistema imunológico, redução de colesterol e triglicerídeos e hipertensão de leve a moderada.

Vejamos agora alguns grupos de nutracêuticos que vocês provavelmente já ouviram falar e devem ter muitas dúvidas sobre.

– Ômega 3

Proveniente principalmente da linhaça, chia e peixes gordurosos (como sardinha, anchova, salmão, atum, arenque) possui um potente efeito anti-inflamatório, além de atuar na prevenção e auxílio no tratamento de doenças cardiovasculares, redução de colesterol e triglicerídeos, prevenção contra câncer, diabetes, alívio de sintomas autoimunes e distúrbios neurológicos. Para praticantes de atividade física, reduz o estresse oxidativo durante e após o exercício físico, evitando danos musculares e promovendo uma melhor recuperação do músculo.

– Cálcio:

É um componente imprescindível para construção e manutenção de ossos e dentes, da coagulação sanguínea, da contração muscular, do metabolismo de lipídeos (gorduras), participa da secreção de hormônios e é utilizada no transporte da vitamina B12.

– Vitamina D:

Essa vitamina de uso muito comum na suplementação ortomolecular tem efeito profilático (prevenção) contra osteopenia e osteoporose, além disso, melhora a imunidade e é importante para o funcionamento da tireoide. Também melhora artrite e atua regulando batimentos cardíacos.

– Biotina:

Provavelmente você já ouviu este nome relacionado com o tema da estética. A biotina é uma vitamina que promove crescimento celular, por este motivo é muito usada em tratamentos de cabelo e pele.

– Triptofano:

Este é o aminoácido essencial (ou seja, nosso corpo não é capaz de sintetizá-lo, sendo assim, é obtido apenas através da alimentação) menos abundante nos alimentos. Possui grande atuação no cérebro humano, em sinergia com a vitamina B6, B3 e o magnésio, que são fundamentais para a produção de serotonina, responsável pelos estímulos neurais e atuação no mecanismo do sono. O triptofano pode ser usado em quadros de depressão, insônia e ansiedade.

– Probióticos:

São microrganismos vivos utilizados para o desenvolvimento da flora bacteriana benéfica intestinal.

-Prebióticos:

São oligossacarídeos (tipo de carboidrato) não digeríveis que estimulam o crescimento da flora bacteriana benéfica intestinal, funcionando como alimento para estas bactérias.

-Simbióticos:

Uma combinação de probióticos com prebióticos.

Em uma visão simplificada, os três atuam como agentes que modulam a saúde intestinal. Como o intestino é o principal órgão de absorção dos nutrientes, acabam por influenciar em diversos sistemas corporais, sendo assim, o uso destes elementos podem reduzir colesterol e triglicerídeos (que quando elevados são riscos de doenças cardiovasculares), melhora de sintomas de alergia, redução de risco de câncer de cólon, recuperação mais rápida de deficiências nutricionais, melhora nos quadros de constipação (prisão de ventre) e síndrome do intestino irritável.

– Antioxidantes:

Os principais são vitamina Selênio, C, E, A (carotenoides), licopeno, luteína, zeaxantina, flavonóides. Ajudam a prevenir contra doenças crônicas, como hipertensão, doenças cardiovasculares, diabetes, dislipidemia, bronquite, osteoporose, câncer, deficiências neurológicas…).

Qual a importância dos antioxidantes? Nós somos expostos diariamente à diversos fatores que levam ao estresse oxidativo, ou seja, há muitos radicais livres circulando na corrente sanguínea e essa é a principal causa das doenças crônicas e degenerativas. Os fatores aos quais me refiro são: o estresse, alimentos industrializados, tabagismo, poluição ambiental, radiação, produtos químicos e estado de inflamação.

Só pelos dois primeiros que citei, já podemos concluir que devemos ingerir muito antioxidante para neutralizar o estresse oxidativo, concorda? Somos muito expostos ao estresse e a inflamação. Por isso, a alimentação o mais natural, colorida e variada possível, se mostra como melhor saída para evitar a necessidade de medicamentos no futuro.

– Fitoterápicos:

Antiinflamatórios:

Garra do diabo (Harpagophytum procumbens DC. ex Meissn. e H. zeyheri Decne)

Polígala (Polygala senega L.)

Salgueiro branco (Salix alba L. | S. purpurea L. | S. daphnoides Vill. | S. fragilis L.)

Unha de gato (Uncaria tomentosa)

Apoio gastrointestinal:

Alcachofra (Cynara scolymus L.)

Alcaçuz (Glycyrrhiza glabra L.)

Boldo, Boldo-do-Chile (Peumus boldus Molina)

Camomila (Matricaria recutita L.)

Cardo mariano (Silybum marianum (L.) Gaertn.)

Espinheira-santa (Maytenus ilicifolia Mart. ex Reiss., Maytenus aquifolium Mart.)

Gengibre (Zingiber officinale Roscoe)

Calmante:

Erva-doce, Anis (Pimpinella anisum L.)

Maracujá, Passiflora (Passiflora edulis Sims)

Melissa, Erva-cidreira (Melissa officinalis L.)

Energético:

Ginseng (Panax ginseng C. A. Mey.)

Guaraná (Paullinia cupana Kunth)

Expectorante:

Guaco (Mikania glomerata Spreng., Mikania laevigata Sch. Bip. ex Baker)

Sabugueiro (Sambucus nigra L.)

Outros exemplos de nutracêuticos:

Vitaminas B1, B2, B3, B5, B6, B9, B12, C, A, E, D, K, Colina, Biotina, Inositol, Cálcio, Fósforo, Magnésio, Ferro, Zinco, Cobre, Fluor, Iodo, Selênico, Manganês, Cromo, Boro, Silício, Molibidênio, Vanádio, Aspartato, Ácido glutâmico, GABA, Glutamina, Arginina, Carnitina, Cisteína, Fenilalanina, Creatina, Glicina, Lisina, Histidina, Metionina, Ornitina, Taurina, Prolina, Serina, Tirosina, Triptofano, L-theanina, Valina, Leucina, Isoleucina, Treonina , Glicosamina, Condroitina….

A lista é extensa e para os mais diversos fins. Se você se interessa em colocar na sua rotina não se esqueça: Suplementos devem ser administrados apenas com orientação do profissional. Existe uma infinidade de nutracêuticos e contraindicações. Por exemplo a alicina, não deve ser suplementada por indivíduos com gastrite aguda e úlceras. Também não é indicada para gestantes, pois aumentam as contrações uterinas. Além disso, interagem com anticoagulantes, hipotensores e hipoglicemiantes.

Conclusão: a individualidade de cada um deve ser levada em consideração antes de suplementar qualquer substância, para que não acabe por gerar desequilíbrio em vez de equilíbrio em novo organismo. Outra coisa importante: Tem hora certa e maneira adequada para tomar os suplementos, de forma que sejam melhores aproveitados pelo organismo e só um profissional pode te fornecer a melhor forma para o seu organismo.

Portanto, antes de rechear sua caixinha de comprimidos com vitaminas e nutracêuticos, conheça seu corpo e suas reais necessidades! Somos indivíduos e precisamos nos conhecer e conhecer nosso organismo para funcionar de forma saudável e feliz!

— ♥ —

Por Daniela Moura:

beleza e saúde em cápsulas

Publicado em 3 comentários

Guia de sugestão para uma alimentação detox!

Se você vive no mesmo planeta que eu, provavelmente é diariamente bombardeada com inúmeras possibilidades de alimentação detox: uma semana vivendo de suco, jejuns, hot yoga e por aí vai… Alimentação é muito importante para a saúde do corpo e da mente e é importante estar atenta com tudo aquilo que entra no seu corpo, afinal devemos nos cuidar com amor, sempre.

Mas eu acredito que alimentação não é apenas aquilo que se come. Alimento é tudo aquilo que te mantém e te sustenta. O ar que respiramos, o tipo de pensamento que temos, os sentimentos que nutrimos, o que escolhemos para estar em contato com nossos cinco sentidos, tudo isso pra mim, é alimentação. De que adianta tomar seu suco verde enquanto assiste as tragédias no noticiário? Não existe clorofila suficiente capaz de inibir toda a negatividade que vai te alimentar nesse instante. No momento das refeições é essencial estar presente. Sentir cada garfada, estar conectada com a comida.

 

Imagina se você decide conciliar uma tarefa importante com a televisão, celular, com os stories do Instagram… fica impossível perceber o momento presente, certo? Ao comer, é a mesma coisa. É preciso sentir a textura, cheiro, observar o nosso prato, usar todos os sentidos e apreciar o momento. Você já almoçou de frente para o Netflix com os olhos vidrados e quando se deu conta, o prato estava vazio e você nem sequer se lembra do sabor da comida? Sensação de completo desperdício.

Quando nos conectamos de verdade com os alimentos e construímos uma relação com eles, entendemos também a importância de sair do pensamento que carregamos desde muito novas, onde usamos os alimentos como recompensa ou punição. Precisamos mudar nossa relação com a comida.

Também é muito comum ver pessoas preocupadas com a alimentação, preocupadas em praticar atividades físicas, na busca de uma vida mais harmônica, mas sem atentar aos cosméticos. Não há diferença entre o que se come e o que se passa na pele, vai tudo para a corrente sanguínea. Por isso, cuidado ao escolher um montão de produtos com números e letras indecifráveis como ingredientes. Você comeria derivados do petróleo? Pois saiba que você, provavelmente, passa isso na sua pele, não apenas petrolatos, mas também silicone, parabenos (além de extremamente alergênicos, há estudos que os ligam ao envelhecimento precoce da pele e ao surgimento de células cancerígenas).

Não estou falando para você abandonar seus produtos favoritos. Mas existem  tantas opções naturais de produtos de beleza, além dos produtos artesanais e orgânicos. Temos o maravilhoso mundo dos óleos vegetais puros, infinitos tipos de argila, esfoliação com café, açúcar, sal. Dar uma chance para produtos um pouco mais naturais e atentar aos ingredientes é algo simples e muito possível.

Uma outra coisa que me choca é a banalização quanto ao uso de cosméticos falsificados, especialmente maquiagens. Sempre me impressiono como alguém pode, tranquilamente, passar na pele um produto cujos ingredientes são completamente desconhecidos, não passam por fiscalização de órgãos reguladores e sequer sabemos como e onde são feitos.

Já há provas que muitas dessas falsificações que a internet gosta de amenizar chamando de “réplica”, contém componentes que jamais deveriam estar em contato com nossa corrente sanguínea, como mercúrio, arsênio e até mesmo xixi de cavalo. Há registros fotográficos mostrando algumas dessas fábricas clandestinas e os ambientes de produção são completamente insalubres, a maioria de nós não se sentiria confortável em fazer uma refeição naquele lugar, imagina só produzir cosméticos!

É curioso o quanto nos preocupamos com a aparência da pele, mas raras vezes paramos para pensar o que estamos colocando para dentro do nosso corpo.

Então no seu próximo detox, que tal cercar-se de música boa, que acalme o espírito, belezas naturais e ar puro e, de quebra, experimentar um SPA Day de produtos naturais? Dica: há cosméticos incríveis na sua cozinha!

— ♥ —